Skip to content

Gestão de Riscos

setembro 17, 2010

Hoje vou voltar a escrever neste blog e começo por um assunto que me interessa muito por estar relacionado à gestão de projetos:  a Gestão de Riscos.

A vantagem mais interessante da Gestão de Riscos é que ela permite que você escolha que atitude tomar ao antecipar a possibilidade e as consequências de cada detalhe de seu plano de ação que possa dar errado.  Pode-se aplicar estes princípios não somente na gestão de projetos em empresas, mas em qualquer campo em que se faça necessário planejar ações.

É importante ressaltar que “gerir riscos” não é necessariamente “evitar riscos”. Uma lei básica da economia é que quanto maior a taxa de retorno de um investimento, maior será seu risco. Este princípio aplica-se também na terceirização de serviços de TI: o que o cliente de outsourcing espera é que o provedor de serviços assuma os riscos que antes eram assumidos por este cliente. E, com a gestão adequada e bem estudada destes riscos, é possível que haja vantagem para os dois lados.

A imagem abaixo apresenta, em suma, os passos da gestão de risco:


Fonte: http://www.onecybertech.com/blog

A primeira ação a se tomar é identificar os riscos, sendo risco qualquer evento que possa surgir e alterar o curso normal do projeto. Este evento pode ser negativo ou positivo e, no caso de ser positivo, torna-se uma oportunidade. Oportunidades devem ser aproveitadas e tão bem analisadas quanto os riscos negativos.

Depois de feita uma lista de riscos, ou seja, ter identificado os riscos que podem ocorrer, é necessário escolher uma das ações a se tomar. As opções são as seguintes:

  • Aceitar: aceita-se por este risco sem tomar nenhuma ação para evitá-lo ou contorná-lo, ou seja, o resultado de sua análise é que a consequência (impacto ou possibilidade do risco ocorrer) não vale a pena
  • Mitigar: prefere-se tomar alguma providência para diminuir a possibilidade de o risco ocorrer ou minimizar suas consequências. Algo muda em seu plano de ação para absorver este risco
  • Transferir: o risco é transferido para outra parte, por exemplo, para uma seguradora
  • Negar: nada é feito para lidar com as consequências de o risco, tampouco estas são aceitas pela parte que está fazendo a gestão dos riscos

Depois de todas as ações serem atribuídas, é necessário atribuir o impacto que cada risco pode causar no projeto caso ocorra e a possibilidade de o risco ocorrer. Note que após as ações de mitigação e de transferência estes números mudam, e a qualquer momento podem ser alterados no decorrer da execução do projeto.

Para se calcular o valor que os riscos levantados têm sobre o valor final do projeto deve-se calcular o peso de cada um dos riscos vezes o impacto que estes riscos teriam. Por exemplo, um risco que tenha a possibilidade de 10% de ocorrer e que cause um dano de R$ 1.000.000,00 caso ocorra terá um peso financeiro de R$ 100.000,00. Lembre-se, porém, que a estimativa de possibilidade de ocorrência do risco é resultado de experiências pessoais e profissionais nesta área, e outros especialistas podem ajudá-lo nesta tarefa.

No comments yet

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: